11 de nov de 2011


imagino poemas à beira do cais... sempre o cais, não há despedidas no aeroporto.
Ana C.